Agricultura de Precisão com Drones

Tempo de leitura: 4 minutos

Cada vez mais populares, os drones caíram na graça do mercado da agricultura como já era previsto na pesquisa realizada nos EUA pela Associação Internacional dos Sistemas de Veículos Não Tripulados em 2013. A pesquisa concluiu que o mercado dos drones vai movimentar 82 bilhões de dólares nos EUA em 2025 e que a agricultura representará 80% das vendas anuais de drones.

 

Devido a esta grande oportunidade muitos profissionais querem saber como realizar a agricultura de precisão com drones. Neste artigo iremos abordar como os VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados), popularmente conhecidos como Drones, podem auxiliar na gestão estratégica das lavouras.

O Drone pode ser utilizado em toda a safra! No primeiro momento, para sobrevoar áreas de interesse de modo que o profissional decida qual propriedade arrendar. Na fase de pré-plantio pode ser utilizado para realizar a topografia do terreno a fim de mensurar a área, dividir os talhões, planejar o escoamento da água da chuva, entro outros.

Após a plantação o drone fornece indicadores qualitativos e quantitativos do plantio que irão mensurar a eficiência do plantio realizado. Alguns indicadores já utilizados no mercado são o levantamento de falhas no plantio, contagem de pés, mapa de saúde da vegetação e mais uma variedade de soluções dependendo da cultura.

O mapeamento aéreo com drones é mais uma tecnologia que otimiza a ação do produtor ou do agrônomo em campo. Fazendo uma analogia, o drone é como um raio-x para um médico: ele identifica os problemas, quais as suas dimensões e qual a sua localização no campo. De posse deste mapa da lavoura, o agrônomo ou produtor vai até o campo visitar as áreas que estão com problemas para verificar quais sãos as causas e prescrever as ações necessárias.

Os problemas podem ser diversos como a compactação do solo, falta de nitrogênio, ervas daninhas, propriedade do solo, irrigação, falhas no plantio, entre outros. Após a verificação da causa o agrônomo/produtor irá determinar quais ações serão executadas para sanar tais deficiências da lavoura, ou seja, o drone vai informar se está bom ou não, cabe ao agrônomo ou produtor analisar as causas e apresentar as soluções.

Vamos imaginar a seguinte situação hipotética: após o mapeamento aéreo com drones e de posse das coordenadas dos problemas encontrados na lavoura, um agrônomo vai até o local onde a deficiência se encontra. Após algumas análises ele constatou que nesta determinada região será necessário a aplicação de nitrogênio. Em seguida, após o prazo necessário para o produto agir, faz-se um novo voo e compara com o voo anterior para analisar se houve melhorias e qual foi a eficiência da aplicação.

É importante entender que o VANT/Drone é dividido em duas partes: a plataforma e o sensor embarcado. A função da plataforma é transportar o sensor garantindo um voo estabilizado e seguro, já os sensores (câmeras) são responsáveis por capturar as informações do terreno. Pode-se embarcar diferentes tipos de câmeras que capturam diferentes dados, na agricultura de precisão as duas principais câmeras utilizadas são a RGB e a NIR.

A câmera RGB captura imagens no espectro visível. Basicamente ela captura o que nossos olhos conseguem ver e com estas câmera é possível realizar toda a fase de pré-plantio e gerar alguns indicadores como o levantamento de falhas do plantio.

Já no caso da câmera NIR (Near Infrared – Infravermelho Próximo), a captura informações ocorre na banda infravermelho próximo. Nós humanos não conseguimos enxergar nessa banda, portanto, através da câmera NIR é possível identificar problemas que ainda não ficaram visíveis.

Após uma operação realizada com as bandas vermelho e infravermelho próximo conhecida como NDVI (Índice de Vegetação por Diferença Normalizada) é possível identificar quais áreas estão saudáveis e quais não estão do plantio. Nós escrevemos uma artigo sobre este tema, caso queira se aprofundar você pode acessar aqui.

Como podemos ver o mapeamento aéreo é uma tecnologia que fornece suporte para o gerenciamento estratégico do plantio. Através dele você extrai indicadores qualitativos e quantitativos que se bem interpretados aumentam a produtividade e diminuem os custos. É interessante acompanhar toda a lavoura e armazenar as informações em um banco de dados, através de um SIG (Sistema de Informação Geográfica) e é possível convergir os dados e fazer análises sazonais em diferentes épocas, com o histórico da sua propriedade e das suas ações é possível otimizá-las nas próximas safras aumentando a eficiência e previsibilidade.

Espero que este artigo tenha te dado uma luz de como utilizar os drones na agricultura! Essa é uma jornada longa e objetivo da Droneng é fornecer os atalhos para a sua capacitação. Caso você tenha interesse em capacitar-se para este novo mercado nós temos dois cursos online com uma metodologia simples e prática. Para conhecer nossos cursos online acesse: http://cursos.droneng.com.br.

 

Até a próxima matéria!

CALL_CURSOS_ONLINE

3 Comentários


  1. estou estudando a compra de um drone para fins agricola.

    Responder

  2. Gostaria de saber se existe alguma aplicação específica para detecção de umidade no solo, inclusive para áreas urbanas, onde se pudesse detectar vazamentos na rede de abastecimento de água de determinada localidade.

    Responder

    1. Olá Hildel,

      Não conheço uma metodologia pronta para este fim, teria que ser algo testado com base nos produtos gerados com drones,

      Obrigado pelo contato!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *