Novos horizontes para a agropecuária com drones

Tempo de leitura: 6 minutos

drones na agricultura

A introdução dos drones ou Veículos Aéreos Não Tripulados promete elevar a qualidade dos processos de monitoramento no campo, em conjunto com as técnicas da agricultura de precisão.

 

Antigamente se dizia que o progresso vinha a galope. Não mais. Hoje, as novas tecnologias chegam a nós pelo ar, se não via avião, pelo menos em ritmo supersónico. E, na agricultura brasileira, o desenvolvimento parece querer alcançar cada vez mais novos e amplos horizontes, nesse sentido.

As ferramentas da terra ganharam asas e, agora, é cada vez mais comum o uso de satélites, aeronaves e – mais recentemente – o de Veículos Aéreos Não Tripulados (Vants), também conhecidos como drones. Segundo o pesquisador da unida de instrumental da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Lúcio André de Castro Jorge, o uso dos drones tem crescido em todo o mundo e se encontra diretamente relacionado à agricultura de precisão.

“Sua aplicação na área agrícola e em missões de reconhecimento vem sendo favorecida e facilitada pelo atual estágio de desenvolvimento tecnológico, principalmente pela redução do custo e do tamanho dos equipamentos e pela necessidade de otimização da produção”, explica.

A utilização desses modelos de aeronaves comandadas diretamente por um computador poderia parecer há até pouco tempo coisa de filme de espionagem.

De fato, o uso dessas tecnologias, assim como grande parte do que tem sido inventado pelo homem, tem sua inspiração no aparato de guerra. Os Vants foram criados com a intuito de servir à questões estratégicas militares, mas, assim como outros sistemas criados para esse fim, foi dia a dia que esses equipamentos ganharam soluções que estão revolucionando o modo como são conduzidas as relações de análise e investigação no campo.

Hoje, mais de 40 países têm trabalhado no desenvolvimento dessa tecnologia para diferentes mercados, sendo a liderança dos Estados Unidos, especialmente em ambientes bélicos, juntamente com Israel. Aparecem ainda entre as nações que fazem uso dos Vants, Japão, Coreia do Sul, Austrália, França, Inglaterra, Itália, Alemanha e África do Sul. O Japão, aliás, destaca-se bem no cenário do uso desse equipamento na agricultura – em 2004 já eram mais de 2 mil Vants aplicados em pulverização e outras utilizações na agricultura.

 

No Brasil, segundo explica o pesquisador da Embrapa Instrumental, os primeiros relatos de Vants foram registrados na década de 1980, com propósitos militares que não obtiveram grande êxito, em um primeiro momento. Só a partir do ano 2000, no entanto, é que o uso desses equipamentos na aviação civil começou a tomar forma nos ares brasileiros, com a introdução do Projeto Arara (Aeronave de Reconhecimento Autónoma e Remotamente Assistida), desenvolvido em parceria pela Universidade de São Paulo (USP) e a Embrapa, com foco na agricultura de precisão.

“O objetivo principal desse projeto era a substituição de aeronaves convencionais utilizadas na obtenção de fotografias aéreas, para monitoramento de áreas agrícolas e áreas sujeitas a problemas ambientais, por Vants de pequeno porte que realizam missões pré-estabelecidas pelos usuários”, endossa Lúcio André de Castro Jorge.

A partir daí o mercado dessas aeronaves começou a desenvolver novas tecnologias, incluindo as nacionais, que se tornaram empresas atendendo o mercado com diferentes tipos de Vants. Hoje, mais de 2 mil sistemas já foram montados e se encontram em operação no Brasil.

 

Aplicabilidade

 

Apesar de ganhar mais volume recentemente, os Vants ainda têm uma presença tímida nas fazendas brasileiras. De acordo com o analista em Agricultura da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Leonardo Carlotto, há certo receio dos produtores quando se começa a utilizar uma tecnologia nova.

“Existe o interesse do agricultor em melhorar suas culturas, mas ele precisa ver a aplicabilidade, o custo disso: argumenta”. Carlotto explica que em Mato Grosso do Sul existe uma iniciativa que tem buscado Introduzir o uso dos Vants junto aos produtores. Em parceria com universidades e o poder público, a Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS) começou a desenvolver, no mês de novembro, a análise da viabilidade uso de drones nas lavouras de soja no Estado.

Segundo o analista, o objetivo é verificar se a introdução da tecnologia pode de fato levar dinamismo e acelerar o processo de vistoria nas propriedades. “A ideia é primeiro mandar o Vant e, a partir dessa análise prévia, enviar o técnico ao local, já para o ponto especifico onde foi Identificado algum problema”, salienta.

 

O analista informa que a pesquisa busca comprovar que os ganhos podem sim reduzir custos na produção e melhorar a qualidade da lavoura. “Estamos trabalhando em uma área próxima a Campo Grande (MS), com um talhão de 130 hectares. “A ideia aqui é, se confirmada a viabilidade, expandir o uso desse equipamento para toda a cultura e os produtores já estão curiosos sobre as possibilidades”, avalia.

Iniciativa é semelhante à aplicada pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento, da Universidade Federal de Goiás (La-pig-UFG) em culturas diversas por todo o País. De acordo com o professor Manuel Eduardo Ferreira, o laboratório da universidade trabalha em parceria com empresas, ONGs e instituições públicas desenvolvendo pesquisas que podem referendar o uso dos Vants no monitoramento de áreas, trazendo novos conhecimentos especialmente em demandas da agricultura, conservação ambiental, desastres naturais, planejamento do uso do solo e outras fontes naturais, além do monitoramento da biodiversidade.

“Multas vezes não são demandas do laboratório, mas de colaboração com entidades diversas que são trazidas ao Lapig para serem utilizadas nas pesquisas de mestrado, considera.

 

De acordo com o professor, que é geógrafo e doutor em Ciências Ambientais, com o auxilio dos drones o laboratório da UFG desenvolveu uma pesquisa encomendada pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República para acompanhar a qualidade das pastagens por todo o País.

“O projeto apresentado dia 11 de dezembro propõe uma radiografia dos pastos com que utilizamos os Vants para catalogar com maior precisão e detalhamento – junto com outras técnicas – estimativas de produtividade, resistência da vegetação, entre outros fatores”, explicita.

A partir dessa análise serão localizadas e qualificadas as áreas de pasto em todo o território nacional, buscando assim apoiar a destinação de políticas, inclusive de crédito, ao setor agropecuária.

 

Outra questão considerável no uso de drones ou Vants no campo diz respeito ao monitoramento de áreas de desmatamento ou de erosão junto a ecossistemas protegidos. O professor Ferreira, do Lapig – UFG, conta que a utilização dessa tecnologia é uma importante aliada Junto ao meio ambiente.

“No último mês de Julho, por exemplo, nós do Lapig desenvolvemos um estudo encomendado pelo Serviço Florestal Brasileiro para monitorar algumas áreas de Florestas Nacionais, as chamadas Flonas, no qual pudemos ver se as empresas atendiam quesitos de exploração, se havia a presença de madeireiros ilegais ou áreas de exploração que poderiam ser abertas”, argumenta.

FonteSindicato Rural de Amambai-MS

Adaptado

 

Saiba mais sobre o uso de drones na agricultura, veja no Guia Definitivo.

 

drones_na_agricultura

2 Comentários


  1. Grande Manoel, primeiramente ,legal seu site, permite a gente se aprofundar um pouco mais na assunto drone.Ja fiz algum trabalho com drones em minha propriedade e agora busco um aparelho para nós ajudar no monitoramento de nossas lavouras.A ideia base é coletar imagens das lavouras a fim de ver manchas de terra , intensidades de folhas , pragas doencas , jeito de riscar etc.Tambem criar mosaicos para entender um pouco mais a área e também medi-las .Mas nada a fim de projetos etc.Pergunta, qual ou quais aplicativos posso usar, e quais drones posso procurar no mercado, sabendo se que é para uso interno da propriedade.Ah ia me esquecendo, se você da consultoria sobre esse tema.Obrigado .

    Responder

    1. Olá Carmelo, tudo bem?

      Caso queira se aprofundar no assunto nós criamos um curso online com essa finalidade, este curso nós estruturamos para ser o pontapé inicial de quem quer entrar neste mercado, recomendo você cursar, lá você irá aprender o que é a Fotogrametria, ciência por trás do mapeamento aéreo com Drones, irá conhecer o que é um drones, qual o sistema que ele tem embarcado, como esse sistema funciona e o que você precisa para realizar mapeamentos aéreos.

      No mercado existem diversos modelos nacionais e internacionais com diversos valores, fica difícil indicar algo pra você sem conhecer sua realidade, após o curso você terá maturidade para julgar qual aeronave é melhor pra você de acordo com o seu poder de compra.

      Para mais informações do curso acesso: http://droneng.com.br/fotogrametria-com-drones

      Obrigado pelo contato,

      Forte abraço!

      Manoel.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *