Planta Topográfica: o que é e para que serve?

Tempo de leitura: 3 minutos

1- O que é uma Planta Topográfica?

A planta topográfica é um dos produtos técnicos que devem ser entregues ao cliente (quando exigido) depois de concluído todo o projeto topográfico. É uma maneira de representar, de forma detalhada, todas as feições presentes no terreno levantado; lembrando que as informações necessárias podem ser coletadas através do Mapeamento Aéreo com Drones ou da topografia convencional, dependendo do objetivo em questão.

2- Mapa x Carta x Planta

O projeto cartográfico é efetivo quando permite que o leitor ganhe conhecimento da informação geográfica, de forma rápida, correta, e satisfatória. 

A palavra mapa é usada genérica como sinônimo das palavras carta e planta. Essa confusão ocorre muito no Brasil e tem origem no uso popular de representações cartográficas.

Abaixo segue algumas principais diferenças entres esses tipos de representação.

3- Principais elementos de uma representação cartográfica:

  • Quadro/Folha: Define o espaço para a construção da representação; 
  • Área Mapeada: Região geográfica representada;
  • Título e Subtítulo: O título descreve o tema do mapa e o subtítulo uma explicação adicional;
  • Legenda: Define os símbolos temáticos;
  • Fonte de Dados: Descreve a origem dos dados e informações relevantes;
  • Escala: Indica a quantidade de redução e permite ao usuário realizar medidas no mapa;
  • Orientação: Indica a orientação (norte).

4- Quando devo utilizar a Planta Topográfica?

Este produto é exigido em projetos mais específicos, como por exemplo obras de engenharia e atualização cadastral. É utilizada também para representar a área de um terreno específico, a divisão de áreas e lotes urbanos, representação da área útil de lavouras, e qualquer outro tipo de informação geográfica de interesse.

5- Vetorização e a Atualização Cadastral

A vetorização é um procedimento de extração de informações cartográficas em formas de pontos, linhas e polígonos a partir de uma base de dados, como o Ortofotomosaico por exemplo, e que compõem uma das etapas de construção da Planta Topográfica.

A aplicação mais recorrente é na parte urbana, quando se trata do cálculo de IPTU. Isso porque o procedimento tradicional de atualização dos dados de uma cidade, por exemplo, requer um tempo muito grande. Imagina só, um colaborador da prefeitura ir de casa em casa para avaliar a construção e atualizar os dados pertencentes à ela… Um procedimento muito demorado não é mesmo? E por esse motivo, o órgão municipal prefere muitas vezes deixar os dados com os números antigos de cadastro, arrecadando um valor de IPTU que não é o verdadeiro.

Através do processo de vetorização das feições, esse problema é sanado, pois todas as informações levantadas podem ser armazenadas em um banco de dados, que é gerado através de um software de Sistema de Informações Geográficas (SIG) para atualização frequente. Juntamente com esse banco de dados, a Planta Topográfica também compõem a entrega efetiva do projeto de atualização cadastral.

6- Como é gerada?

Para confeccionar o produto pode ser utilizado softwares de pós processamento, os mais comuns são: o AutoCad Civil 3D e o QGIS. Uma característica importante é a quantidade de informações presentes, já que a escala utilizada é grande. 

Os produtos utilizados para a geração do modelo de planta mostrado abaixo são as curvas de nível, pontos cotados obtidos do MDT e a vetorização das feições de interesse feitas em cima do mosaico de ortofotos.

Aproveite a aula ao vivo e gratuita que vai acontecer dia 08/07 aqui na Droneng. As inscrições já estão rolando e você pode participar clicando na imagem abaixo.

Não deixe de participar! Estamos te esperando por lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *