Multi-rotor ou asa fixa? Saiba o que considerar na escolha

Tempo de leitura: 6 minutos

Essa é uma pergunta que constantemente recebemos, e para respondê-la é necessário outras perguntas que vou estimular ao longo deste texto para que você consiga decidir qual o melhor modelo para o seu negócio.

O mercado dos drones é um mercado muito grande. Por isso,  ao longo desta matéria vou fazer algumas análises baseadas no mercado de engenharia: o famoso Mapeamento Aéreo. Mesmo dentro deste mercado há inúmeras possibilidades de aplicações em diferentes nichos e a primeira coisa que você tem que definir é qual nicho você quer atuar, isso irá te ajudar a escolher qual modelo de aeronave ideal para o seu negócio.

Porque é importante escolher o nicho? Vamos lá, dentro do mercado de mapeamento aéreo temos alguns nichos como: agricultura, construção civil, mineração, meio ambiente, óleo & gás, energia, infraestrutura, topografia, gestão urbana entre outros, cada nicho deste possui um tipo específico de áreas a serem mapeadas que por sua vez define qual é o modelo ideal, ou seja, as características das áreas a serem mapeadas definem qual modelo de aeronave utilizar.

Selecionei alguns pontos importantes que vão te ajudar na escolha são eles:

 

Tamanho da Área



Qual o tamanho das áreas que você irá trabalhar neste nicho? Por exemplo, o mercado de agricultura no Brasil é conhecido por suas grandes extensões de terra, que por sua vez exige uma autonomia maior da aeronave, já o mercado de topografia muitas vezes trabalham com áreas menores e mais pontuais, porém, se o seu foco é medições de áreas rurais, as áreas serão maiores.

 

É importante você ter uma aeronave com alta autonomia para sobrevoar grandes áreas, pois, no mercado dos drones uma das exigências principais das contratantes é o curto tempo de entrega, ou seja, os clientes querem o resultado rápido, além disso, se você utilizar uma aeronave com baixa autonomia terá que fazer inúmeros voos o que irá complicar no momento do processamento.

 

Em áreas grandes é recomendado o uso de uma aeronave de asa fixa, pois este modelo apresenta alta produtividade de mapeamento, já em áreas menores você pode optar por um multirotor por exemplo, porém, antes de tomar uma decisão confira os próximos pontos a seguir…

 

Característica do Relevo

 

Outro detalhe importante a ser observado é a característica da área a ser sobrevoada. Ela é plana? Montanhosa? Possui muita cobertura vegetal? Esses detalhes são importantes para você avaliar as formas de pouso e decolagem, as aeronaves de asas fixas depende de um espaço maior, já os multirotores por realizar o pouso e decolagem na vertical, isso não é problema.

 

A cobertura vegetal densa, assim como montanhas também pode ser um problema para pouso e decolagem que deve ser analisada na hora de tomar uma decisão, portanto, a característica do relevo também é um fator determinante na escolha.

 

Sensores Embarcados

 

A necessidade de diferentes tipos de sensores também é um ponto a ser observado, pois alguns modelos são limitados quanto a isso, o que acaba tornando o seu negócio limitado também. Por exemplo, no mercado de agricultura é possível utilizar câmeras RGB para realizar a topografia do terrenos e análises quantitativas como falhas, mapeamento de linhas, etc.

Porém, neste mercado também exige o uso de câmeras multiespectrais para gerar os índices de vegetação que por sua vez auxiliam na análise da saúde da vegetação, identificação de pragas, aplicações de insumos, análises dos estágios de desenvolvimento da planta, etc.

 

Nestes casos a aeronave deverá oferecer a possibilidade de troca de sensores, as aeronaves de asas fixas geralmente tem uma flexibilidade maior neste quesito, porém, vale ressaltar que existem vários modelos de multirotores também que podem permitir o intercâmbio de sensores. Então a dica é cruzar estes pontos para convergir na melhor escolha, no mercado de agro o que normalmente acontece é a validação do método com multirotores e a aplicação em escala com asas fixas.

 

Qualidade Geométrica

 

Qualidade geométrica é um termo muito utilizado no mercado de Fotogrametria (Mapeamento Aéreo), basicamente é a correta definição dos objetos apresentados no mosaico de ortofotos Em voos em áreas urbanas por exemplo, possui muitos objetos distintos com diferentes formas e altura, se o sensor utilizado não for um sensor de alta qualidade o resultado final irá apresentar alguns borrões, o famoso “arrastamento”, e deformações nas edificações, isto, prejudica as mensurações no mosaico.

Para evitar este tipo de problema é recomendado o uso de sensores com lente de foco fixo e alta velocidade de abertura do obturador ou “velocidade de captura da imagem” (tempo de exposição do sensor para capturar a imagem). Geralmente estes sensores são mais pesados e alguns modelos de aeronaves não suportam, então se o seu objetivo por exemplo é trabalhar em áreas urbanas este ponto é muito importante em sua análise.

 

Versatilidade

 

Este ponto quero destacar um mercado específico, o de análise de linhas de transmissão por exemplo. Este mercado exige que a aeronave utilize sensores específicos como os sensores termais, além disso, é necessário que a aeronave sobrevoe próxima à fiação para detectar anomalias. Neste caso é recomendado o uso de aeronaves do tipo multirotor, mas vale lembrar que não são aeronaves como o Phantom por exemplo, pois você terá que utilizar sensores específicos e o Phantom é limitado neste ponto.

 

Com as aeronaves do tipo asa fixa não é possível parar em cima de um objeto por exemplo, o que acaba limitando a sua utilização para este fim. Porém, neste mercado também há a necessidade de verificar as faixas de servidão, que nada mais é que o monitoramento das linhas para verificar se a vegetação está invadindo as linhas, nestes casos é recomendado o uso de uma asa fixa devido às grandes extensões de áreas.

 

Poder de compra

Por fim e não menos importante, você deverá analisar qual é o seu poder de compra, ou seja, quanto você possui para investir inicialmente em seu negócio. Há inúmeros modelos de aeronaves cada um com um valor específico e isso irá determinar qual modelo você irá escolher.

Você percebeu que não é tão simples a escolha, não é mesmo? Principalmente se você quer fazer uma boa escolha, neste caso recomendo você se atentar à estes pontos que levantei. Outra dica muito importante é conhecer bem o fabricante que você pretende comprar, procure conversar com alguns clientes, principalmente para saber do suporte oferecido no pós venda e qualidade do equipamento. Não é um investimento barato, portanto, todo cuidado é pouco na compra.

E você, o que achou dos pontos levantados? Sentiu falta de algum? Deixe seu feedback nos comentários! 

Independente do modelo de VANT escolhido, para se dar bem nesse (e em qualquer) mercado o passo inicial é a capacitação! Conheça nossos cursos:

2 Comentários


  1. excelente o material enviado
    Estamos pensando seriamente incentivar o uso da tecnologia aqui na região da Zona da Mata Rondoniense, com amplas áreas dedicadas a agropecuária e manejo florestal.
    Para a autonomia de voo dos DRONES satisfaze , para se trabalhar em fazendas.
    Atte
    eduardo

    Responder

    1. Fala Eduardo, tudo bem?

      Que bacana, é sempre muito bom incentivar o uso da tecnologia, hoje no mercado já temos aeronaves com autonomia de voo alta, por exemplo, o BATMAP possui 1,5 horas de autonomia, sendo indicado para sobrevoar grandes áreas.

      Forte abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *