Principais dúvidas dos nossos alunos dos cursos online

Tempo de leitura: 5 minutos

Acompanhe essa matéria e veja as dúvidas mais recorrentes dos nossos alunos dos cursos online.

Sabe aquela dúvida que você tem e que sempre quis tirar com especialistas da área?

Leia todas as respostas porque essas também podem ser as dúvidas de vocês.

PERGUNTAS

  • A área que quero mapear com meu drone é bem pequena. Ainda assim é necessário utilizar pontos de apoio?

Depende! A resposta dessa pergunta vai depender bastante da finalidade do seu projeto. Primeiramente é necessário entender pra que servem os pontos de apoio. A função básica deles é criar uma referência no solo que será utilizada no processamento das imagens, aumentando a qualidade dos produtos finais gerados.

E quando você precisa de toda essa qualidade? Quando for necessário extrair medidas dos produtos gerados, por exemplo, obter as coordenadas de um ponto específico em um ortofotomosaico ou medir distâncias e áreas. Os pontos de apoio também são muito importantes na geração das curvas de nível do terreno, afinal pra que serve uma curva de nível se ela estiver deslocada dezenas de metros da sua posição real?

No entanto, se o seu mapeamento for apenas para fins visuais ou para pré-planejamentos que não necessitem de acurácia nas coordenadas dos elementos, não é necessário se preocupar com pontos de apoio. Resumindo, a decisão do uso ou não destes pontos vai depender exclusivamente do que será feito com os produtos gerados através do voo.

Implantação de um ponto de apoio com equipamento GNSS
  • Após o processo de alinhamento das fotos no Agisoft, várias delas não alinharam e meu ortofotomosaico ficou cheio de “buracos”. Por que isso aconteceu e como eu faço para evitar isso?

Esse problema geralmente acontece em regiões com mata muito fechada ou regiões muito homogêneas, como grandes corpos d’água, grandes extensões de areia, plantações, entre outros. Devido à semelhança entre as fotos capturadas nessas regiões, o Agisoft se confunde e não consegue encontrar os pontos homólogos (pontos semelhantes) nas imagens e isso faz com que elas não sejam alinhadas. Infelizmente, esse é um problema dificilmente resolvido através do software e, na grande maioria dos casos, é necessário refazer o voo. E quais são os procedimentos para não ter mais esse problema?

Nas áreas homogêneas, você pode aumentar a altura de voo e consequentemente o valor do GSD do seu projeto, tornando mais fácil a identificação dos pontos homólogos pelo software, evitando os buracos e falhas nos seus modelos e no ortofotomosaico.

Processo de sobreposição de imagens na aerofotogrametria
  • No processo de classificação automática da nuvem densa de pontos, o Agisoft pede para inserir três parâmetros (max angle, max distance e cell size). Para que serve cada um deles? Há valores padrão para uma classificação automática mais efetiva?

A classificação automática do Agisoft é muito útil e poupa um trabalho manual enorme na geração do Modelo Digital de Terreno (MDT). Mas para que seja efetiva, ela precisa ser bem feita! Você precisa entender o que cada um desses três parâmetros significa para obter os melhores resultados possíveis. Lembrando que para que um elemento seja classificado como “terreno”, ele deve “passar” em todos os três parâmetros. Então vamos lá!

O parâmetro max angle (ângulo máximo) representa o ângulo máximo (em graus) que o software vai entender que um elemento da sua nuvem de pontos faz parte do terreno. Por exemplo, se você definir esse valor para “15” significa que qualquer objeto que tenha um ângulo maior que 15 graus em relação ao perfil do terreno, não será classificado como solo.

O max distance (distância máxima) é a maior distância (em metros) do terreno para que um ponto seja classificado como solo. Por exemplo, se você define esse valor para “1” o Agisoft irá classificar como solo qualquer ponto que esteja distante 1 metro ou menos do terreno.

O terceiro e último parâmetro é o cell size (tamanho da célula ou tamanho do objeto). Ao defini-lo, por exemplo, como “10” significa que qualquer objeto no terreno que for maior que 10 metros não será classificado como solo. É recomendado utilizar o valor do maior objeto que pode ser identificado na sua área.

Agora que você já sabe o que significa cada um dos três parâmetros, fica fácil responder a última pergunta: não há valores padrão para uma classificação automática mais efetiva, porque isso irá variar bastante com base nas características do terreno que está sendo mapeado.

Classificação automática no software Agisoft Metashape

CURSOS ONLINE DA DRONENG

Estas são apenas algumas das dúvidas que mais surgem entre os alunos dos cursos online da Droneng. E você? Também tem dúvidas sobre esta área?

Nós temos uma equipe preparada para te atender e suprir todas as suas dúvidas. Além disso eles ainda podem te ajudar e indicar qual o curso mais indicado para o seu caso.

Até porque a gente sabe que o seu caso pode ser totalmente diferente de outros, então apenas com uma boa conversa isso pode ser definido.

Tem interesse em saber qual o mais indicado para você?

Clique na imagem abaixo e converse com os nossos especialistas. Eles e todos nós estamos te esperando!

Venha para o time Droneng!

2 Comentários


  1. Qual é a configuração ideal da câmera para aerofotogrametria (mapeamento com Drone em área urbana com altura de 100 m), tenho um Phanton 4 Pro, e tive que resetar a câmera e agora a qualidade das imagens diminuiu e não sei como retornar ao que era. Gostaria de saber se tem uma configuração padrão.

    Responder

    1. Olá Luis, como vai?

      Não existe uma configuração padrão. O DroneDeploy, por exemplo, configura os parâmetros da câmera automaticamente.

      Forte abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *