Produtos cartográficos: como utilizar através dos drones?

Tempo de leitura: 4 minutos

Você tem dúvidas de como utilizar os produtos cartográficos gerados através do mapeamento aéreo com drones? Se sim, leia esta matéria até o fim que eu vou apresentar as definições e alguns exemplos práticos.

Olá, eu sou o Manoel Neto, engenheiro cartógrafo e fundador da DronEng – Drones e Engenharia, nós estamos há 7 anos no mercado e já capacitamos mais de 17.200 alunos até o momento.

Como utilizar os produtos cartográficos gerados através dos drones?

Primeiramente, é importante destacar que subir um drone e tirar imagens aéreas não é mapeamento aéreo, para gerar produtos cartográficos é necessários fotografar o terreno de forma específica, processar as imagens e então gerar a base cartográfica da área levantada, através dessa base cartográfica é possível mensurar o terreno de forma remota pelo computador.

A base cartográfica é formada pelos seguintes produtos: mosaico de ortofotos, modelo digital da superfície, modelo digital do terreno e curvas de nível. Agora, eu vou trazer a definição destes produtos e como você pode utilizar cada um deles.

Mosaico de ortofotos

O mosaico de ortofotos é a junção de todas as imagens aéreas em uma única imagem corrigidas das distorções e da variação do relevo, de forma simples é uma imagem de escala única georreferenciada onde através dela é possível realizar medições no plano 2D (X e Y) como distância, perímetro, área e demais soluções como classificação do solo, logística, relatórios.

É através do mosaico de ortofoto que é calculado a área do imóvel e mensurado a discrepância entre o valor mensurado no mosaico e o valor cadastrado da base da prefeitura para oferecer a solução de cálculo de IPTU. É também através deste produto que é dividido os talhões de uma área rural para o planejamento do plantio ou o levantamento de falhas, e também é através do mosaico que é mensurado o desmatamento ou queimada de uma área.

Modelo Digital da Superfície

O MDS é um modelo tridimensional do terreno representando todos os objetos acima do solo, como edificações, árvores, carros, pessoas e demais objetos presentes na imagem. Este produto já permite medições no eixo Z, como altura e cálculo de volume.

O Modelo Digital da Superfície é utilizado quando o objetivo do projeto é mensurar os objetos acima do solo, como por exemplo o cálculo de volume de pilhas de minério na mineração, ou também cálculo do volume de valas, ele também pode ser utilizado para calcular altura de prédios e árvores e é um produto gerado automaticamente no processamento de imagens.

Modelo Digital do Terreno

O MDT também é um modelo tridimensional do terreno, porém, diferente do MDS ele não representa os objetos acima do solo, este é um subproduto do MDS, para a geração do MDT é necessário realizar uma filtragem no MDS por meio de algoritmos computacionais onde é retirado os objetos acima do solo e interpolado os pontos reconstruindo a superfície. Diferente do MDS, este produto é utilizado quando o objetivo é mensurar o terreno.

A partir do modelo digital do terreno que é elaborado os projetos de engenharia como análise do terreno, projetos de corte e aterro, estudo do traçado em projetos de rodovias, entre outras soluções.

Curvas de nível

Uma curva de nível caracteriza-se como uma linha imaginária que une todos os pontos de igual atitude de uma região representada, e é chamada de curva pois normalmente a linha que resultado do estudo das altitudes de um terreno são em geral representadas por curvas.

No mapeamento aéreo as curvas de nível são geradas através do modelo digital do terreno, não é correto a geração através do modelo digital da superfície, elas geralmente são utilizadas em plantas topográficas para representar a declividade do terreno em um plano 2D, às vezes, também são utilizadas para gerar superfícies em softwares do tipo CAD, porém, de posse do MDT o seu uso acaba sendo desnecessário.

Bom, estes são os principais produtos cartográficos gerados pelo mapeamento aéreo com drones, ou topografia com drones como é popularmente conhecido. A ideia da matéria foi trazer uma breve definição e alguns exemplos práticos para ficar mais claro o uso de cada um, e você conseguiu entender? Caso tenha ficado alguma dúvida ou queira complementar o conteúdo basta deixar nos comentários aqui embaixo.

Muito obrigado pela sua atenção e nos vemos no próximo drone minuto.

Quer conhecer mais sobre o nosso curso presencial e tudo que ele pode te oferecer? Clique no link abaixo e aproveite:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *