Utilização de drones para agricultura podem mudar o caminho das fazendas.

Tempo de leitura: 8 minutos

drones para agricultura

As principais inovações na agricultura estão sempre atualizadas, graças ao mercado que passa por uma rápida evolução.

Durante séculos, o cultivo na agricultura foi trabalho braçal: andando pelas linhas, analisando planta-a-planta para verificar se há ervas daninhas, insetos, solo ressecado ou qualquer sinal de perigo. Em contrapartida, as máquinas modernas podem fazer análises de solo através de computadores e sensores terrestres, que fazem um acompanhamento das culturas e tende a ser mais eficiente. Muitos desses avanços ainda passam despercebidos.

Mesmo com todas as facilidades que a tecnologia traz, há inevitavelmente dados que não podem ser detectados na escala, tais como a deficiência de azoto ou diminuição de fotossíntese – processo movido a clorofila que é crucial para uma planta saudável. Se uma planta doente é encontrada, qual é o impacto sobre as centenas de milhares de plantas que a rodeiam? Os agricultores não souberam responder essa questão por algum tempo.

Não mais: os chamados drones para agricultura podem, em breve, voar no céu da América.

Na verdade, alguns já estão. As regras federais sobre o uso de VANTs foram disponibilizadas no ano passado e as autorizações especiais foram emitidas e direcionadas para várias operações agrícolas.

Ao que tudo indica, o impacto no setor agrícola dos EUA será enorme: milhares de milhões de dólares em benefícios econômicos e dezenas de milhares de postos de trabalho dentro de apenas alguns anos. A Federação Americana “Farm Bureau” estima que somente de retorno sobre o investimento de agricultores pode ser de US $ 12 por acre para o milho e US $ 2 a US $ 3 por acre para a soja e trigo.

A mais recente e impressionante transformação no florescente campo da agricultura de precisão incorpora dados geoespaciais e sensores para um melhor crescimento dos campos. Em outras palavras, uma revolução de disponibilização de dados sobre as fazendas.

Os demógrafos sugerem tal avanço não poderia vir em breve: Os projetos das Nações Unidas que assumem uma população global de 9,1 bilhões de pessoas em 2050, garante que a produção de alimentos terá de aumentar em cerca de 70 por cento. Melhorar a produtividade das culturas será cada vez mais essencial para alimentar o mundo e os drones podem ajudar.

Apesar da ideia difundida de que os drones são visados principalmente para uso de vigilância ou de guerra, os “aviões agrícolas” são esperados para fazer até 80 por cento do futuro mercado comercial, de acordo com a Association for Unmanned Vehicle Systems International (Associação para UAV’s).

Sim, eles serão implantados como abelhas operárias, atuarão na pulverização e tratamento de culturas, mas o potencial é muito maior: a altíssima resolução espectral de imagem irá reunir uma visão orientada a dados, permitindo a fertilização mais direcionada e um melhor uso da água e do trabalho. A necessidade de fertilizantes comuns, tais como azoto, bem como herbicidas, inseticidas, fungicidas e que poluem vias locais poderão ser substancialmente reduzidas. Mesmo para os agricultores biológicos, controlar as doenças e a seca poderá ser muito mais fácil.

“A beleza da coisa toda é que ele economiza o dinheiro do agricultor e ajuda o meio ambiente também”, diz Kevin Price, um ecologista de longa data da Universidade Estadual de Kansas, que agora é um executivo da AgPixel, um grupo de empresas que atuam com vendas de drones e análise de dados para os agricultores.

Ele tem sido curioso sobre como dados de satélite podem melhorar a agricultura, mas até recentemente, diz ele, esse tipo de informação não causaria interesse em agrônomos, nem mesmo em produtores. No entanto, com um drone, a resolução das imagens pode detalhar para cada polegada de solo. As plantas individuais podem ser contadas, o que anteriormente era quase impossível em fazendas maiores.

Para produtos de alto valor, como o tomate, pode-se ver alguns dos maiores ganhos. A empresa de Kevin tem trabalhado em campos de trigo e milho até agora.

A técnica de observação primária baseada nos drones é chamada NDVI, ou Índice de Vegetação por Diferença Normalizada, uma medida de avaliar a produtividade das culturas, que é calculada com base em radiação visível e infravermelha. Visto com uma câmera aérea, as linhas de cultura que normalmente se parecem com uma massa indiferenciada, de repente podem aparecer em relevo em brilhantes amarelos, laranjas, vermelhos e verdes. Em seguida o software coloca em conjunto centenas de imagens para formar uma imagem completa.

Agora, o voo autónomo ou semiautônomo é relativamente barato. Surpreendentemente, a melhor tecnologia dos smartphone é uma das principais razões. Ao aperfeiçoar o processamento do computador para dispositivos móveis – giroscópios, altímetros, bússolas, por exemplo – o uso doméstico de drones em escala agora é possível.

As Universidades de Carnegie Mellon, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts para Purdue e do estado de Oregon – estão ajudando a impulsionar a inovação da indústria. Pesquisadores estão desenvolvendo tecnologias robóticas aéreas e terrestres, permitindo tudo, desde uma melhor análise de campos de batata e recolha de amostras de água para a poda de pomares de maçã e pêssego.

A PrecisionHawk, uma empresa com sede na Carolina do Norte, é apoiada pela Intel Capital e Bob Young, o pioneiro do software. O vice-presidente de estratégia da empresa, Thomas Haun é objetivo: os drones aumentam o rendimento das culturas e diminui os insumos caros. É possível que, no futuro, a sua comida fique um pouco melhor, ou pelo menos tenha um sabor mais consistente, por causa de um drone. Os drones “VineRangers”, por exemplo, que incide sobre as uvas dispõe a possibilidade de vinhos mais deliciosos.

O céu, no entanto, não será verdadeiramente aberto para este negócio sem regras federais. Kristina Polziehn e Darrien Genereux, canadenses e pilotos de drones, têm voado os veículos três ou quatro vezes por semana através de grandes campos de canola na província ocidental de Alberta.

“A cada voo que você aprende”, diz Polziehn. “Não vão haver momentos em que você tem lançamentos de baixa qualidade… ou a possibilidade de avistar terras de longe e você se perguntar: ‘Como é que vou encontrar essa coisa?”.

O Canadá tem permitido o uso de drones para agricultura por anos, e das mãoes de Polziehn e Genereux a empresa de consultoria decolou. Na verdade, apesar de sua sofisticação em hardware e software de drones militar, o mercado comercial dos Estados Unidos fica para trás se comparado a um número significativo de países da América do Sul, Ásia e Europa. Só o Japão tem cerca de 10.000 veículos aéreos não tripulados, incluindo helicópteros, em operação para a agricultura.

Os formuladores de política americanos culparam espaço aéreo congestionado pelo atraso. Em 2012, porém, o Congresso determinou que as novas regras de drones estariam em vigor até esta queda, e desde o ano passado, a Federal Aviation Administration (FAA) concedeu um número relativamente pequeno de agricultores e outros operadores permissão especial, que é chamado de “isenção 333”.

Sugere-se que sejam criadas as regras finais – que provavelmente exigirão que os pilotos de drones passem por um curso e obter um certificado de operador – não podendo ser colocado em prática até o início de 2017. Um obstáculo? Eles provavelmente irão exigir que os veículos não tripulados sejam visíveis para os pilotos no chão em todos os momentos, determinando distâncias em qualquer direção, mesmo em áreas rurais.

Para monitorar vastas fazendas do país, os drones idealmente seriam capazes de voar por milhas de forma autônoma, diz Lisa Ellman, um ex-funcionário do governo Obama, que até recentemente ajudou a formular a política em drones. Ellman, agora na prática privada, adverte que as regras terão de ser mais flexíveis para os benefícios chegarem a uma escala significativa.

Alguns representantes da indústria de produção de alimentos tornaram o processo mais complicado, apoiando as leis que limitam a vigilância de drones sobre a propriedade privada. Assim, contrariando os ativistas que querem drones para monitorar fazendas industriais e tratamento animal. Na verdade, admite-se que os agricultores geralmente irão precisar de alguma persuasão: “Eles querem ter a certeza de que irão economizar dinheiro.”

John Wihbey trabalha no Centro Shorenstein da Escola Kennedy de Harvard sobre Mídia, Política e Políticas Públicas.

Fonte: Boston Globe

Quer conhecer a aplicação dos Drones na Agricultura? Baixe o nosso e-book “O guia definitivo para a utilização dos Drones na agricultura”. É gratuito! :)

 

 

 

drone_minuto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *