fbpx

Bases cartográficas: quais são e como são utilizados?

Tempo de leitura: 5 minutos

Topografia com Drones, quais são as bases cartográficas?

A topografia com drones está presente em diversos segmentos da engenharia, sendo assim nesse artigo vamos trazer uma visão geral das fases de um projeto de mapeamento aéreo com drones, e quais bases cartográficas é possível gerar através dos processamentos realizados.

No mapeamento com drones, existem diversas câmeras e tipos de sensores que é possível utilizar, sendo assim é gerado diversos produtos e aplicações diferentes, pois os produtos gerados estão diretamente ligados com as câmeras embarcadas nos drones.

Câmeras mais utilizadas no mercado

Primeiramente, existem as câmeras do tipo visível, que são as câmeras que é possível enxergar a olho nu. A câmera visível é a câmera RGB, colorida, que é do estilo convencional, um exemplo é a câmera que é acoplada em celulares.

Com as câmeras do tipo RGB, pode-se obter os dados qualitativos do terreno, sendo assim gerar a topografia do terreno, e realizar medições do tipo: áreas, distâncias, análises de coordenadas, perímetros, cálculos de volume e etc.

Câmera DJI

Os produtos gerados através da câmera RGB são muito utilizados nas vertentes da engenharia, como a construção civil, mineração, agricultura, etc. Também a câmera RGB é a câmera mais utilizada do mercado.

Existem outros tipos de sensores, alguns deles são invisíveis, ou seja, que não conseguimos ver a olho nu. São basicamente os sensores que capturam dados na faixa do infravermelho próximo. Dentro desse tópico existem dois tipos de câmeras, as modificadas e a multiespectral.

Os sensores invisíveis, geram dados qualitativos, ou seja, dados que se deseja mensurar a qualidade do alvo ou o objeto de estudo. Essas câmeras são muito utilizadas para serviços voltados para agricultura e meio ambiente.

Mapir Survey 3 (câmera modificada)

Fases de um projeto de mapeamento aéreo

Um projeto de mapeamento aéreo se resume em três grandes etapas:

  • Planejamento de voo: Se inicia com um estudo da área de mapeamento, determinando a área de interesse, e planejando a rota que o drone vai realizar automaticamente. Existem diversos aplicativos de voos que é possível realizar um planejamento de voo, um deles é o Drone Deploy, onde possuímos um e-book com algumas dicas de como utilizar o aplicativo.
 

  • Voo: Essa fase é de grande importância, pois é nela que será coletado das imagens e dados no campo. Lembrando sempre de algumas informações importantes, como a janela de voo, para que não haja sombreamento nas imagens. Também de ir a campo preparado com baterias carregadas e equipamento calibrado.
  • Processamento das imagens: Por fim é a hora de processar as imagens e gerar os produtos finais para posteriormente gerar soluções para o mercado de engenharia.

Quais são as bases cartográficas geradas através dessa câmera?

Nuvem de Pontos: A nuvem de pontos é um conjunto de milhares de pontos expressos com coordenadas 3D. Com essa nuvem é possível gerar os modelos de elevação: MDS e MDT.

Mosaico de Ortofotos: Uma ortofoto é uma fotografia que mostra imagens de objetos em suas posições ortográficas verdadeiras. Segundo  Wolf (1983) ortofotos são geometricamente equivalentes a mapas convencionais planimétricos de linhas e símbolos, os quais também mostram as posições ortográficas verdadeiras dos objetos.

Modelo Digital da Superfície (MDS): O modelo digital da superfície, é gerado automaticamente no processamento de imagens, este modelo representa todos os objetos acima do solo como casa, árvores, prédios, postes, pessoas, etc. Através dele, você consegue fazer medições planialtimétricas (3D). Ele é usado principalmente para cálculo de altura e volume.

Modelo Digital do Terreno (MDT): O MDT é gerado à partir do MDS, no software de processamento é realizada uma filtragem dos pontos na nuvem de pontos densa retirando os objetos acima do solo e interpolando o local com os pontos adjacentes. O MDT é o produto utilizado em projetos de engenharia pois ele representa apenas o terreno e é através dele que é gerado as curvas de nível.

Curvas de nível:  Também representa o modelo tridimensional do terreno, porém em um sistema 2D. Ela tem a mesma finalidade do MDT, porém é um dado mais leve e também menos detalhado, geralmente é utilizada em plantas topográficas que posteriormente serão plotadas…

NDVI: É uma sigla para Normalized Difference Vegetation Index ou Índice de Vegetação por Diferença Normalizada, é um produto gerado através de uma expressão aritmética com as bandas espectrais vermelho e infravermelho próximo, através deste produto é possível analisar a atividade fotossintética do plantio identificando locais onde as plantas não estão saudáveis.

Metodologia

É sempre importante saber qual metodologia será preciso utilizar para gerar o produto que o cliente solicitou. É muito comum as pessoas acharem que o drone em si é o responsável pelo seu negócio, porém o drone é apenas uma ferramenta de captura de dados.

Antes disso, é preciso saber primeiro qual o objetivo do seu negócio e qual problema você quer resolver. Feito isso, é necessário saber como capturar os dados, processar, gerar as bases cartográficas, interpretar esses produtos e por fim gerar soluções para o seu mercado.

Você sabe como podemos te ajudar nesse objetivo? Venha conhecer nosso Curso Presencial e tudo que ele pode te ensinar clicando na imagem abaixo.

Essa é uma grande oportunidade para você sair do zero e começar a gerar seus produtos gerados através dos drones. Clique na imagem abaixo e tenha mais detalhes sobre isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *