Ortofotomosaico verdadeiro e convencional: entenda a diferença

Tempo de leitura: 5 minutos

Você sabe o que diferencia o ortofotomosaico verdadeiro e convencional? Entenda nessa matéria os tipos de mosaicos e suas principais características.

Devido à grande quantidade de informações, facilidade de interpretação dos dados e o processo de elaboração mais rápido em comparação a uma carta topográfica, o ortofotomosaico ou mosaico de ortofotos se tornou uns dos produtos mais requisitados por prefeituras e administradores de propriedades rurais no mercado de mapeamento aéreo com drones.

Umas das características que mais chamam a atenção para o produto é a possibilidade de realizar medições diretas de distâncias, áreas e ângulos, já que possui uma escala constante que possibilita este tipo de operação.

Nesta matéria vou falar um pouco sobre os tipos de mosaicos e suas principais características.

Vamos começar falando sobre o que é um ortofotomosaico.

Para explicar melhor, eu preciso definir o que é uma ortofoto:

Uma ortofoto é uma fotografia que mostra imagens de objetos em suas posições ortográficas verdadeiras. As ortofotos são geometricamente equivalentes a mapas convencionais planimétricos de linhas e símbolos, os quais também mostram as posições ortográficas verdadeiras dos objetos.

De modo análogo, a ortofoto é um produto resultante da transformação de uma foto original em uma foto onde os deslocamentos devido ao relevo e a inclinação da fotografia são eliminados. Então um ortofotomosaico nada mais que o resultado do processo de aerotriangulação e mosaicagem das ortofotos.

Na imagem a baixo podemos ver o orotofotomosaico dividido pelas linhas de corte, onde cada divisão representa um pedaço de uma ortofoto usado no processo de mosaicagem.

Figura 1: Ortofotomosaico com a visualização das linhas de corte

Para uma transformação precisa, ou seja, para colocar o pixel da imagem original na posição correta no ortofotomosaico, precisamos do modelo digital da área mapeada.

A partir da escolha do modelo de elevação, podendo ser o modelo digital de superfície (MDS) ou um modelo digital de terreno (MDT), temos diferentes características no processo de ortorretificação e na geração do ortofotomosaico.

No caso da utilização do MDT temos a geração da ortofotomosaico clássico ou convencional. Os ortomosaicos clássicos poderão ter objetos acima do nível do terreno com vista perspectiva, variação de tamanho e ocultação de objetos, dependendo do ângulo de visão do centro da projeção, ou seja, objetos representados inclinados.

Figura 2: Representação do MDT e o Ortofotomosaico Convencional

Já com o uso do MDS temos a geração do ortofotomosaico real ou verdadeiro onde os objetos acima do nível do terreno estarão em vista ortogonal, tamanho ajustado ao MDS e sem ocultação de objetos independente do ângulo de visão do centro de projeção.

Figura 3: Representação do MDS e o Ortofotomosaico Verdadeiro

Quanto ao processamento, para geração do ortofotomosaico verdadeiro, o processo é realizado de acordo com o fluxo de trabalho, geralmente bem automatizado pelos softwares de processamento, onde a intervenção manual do operador é mínima e o mds é gerado com a nuvem de pontos sem edições.

Este tipo de processamento é comum em plataformas online de processamento como o Dronedploy.

Um ponto negativo deste processo são as possíveis distorções na representação dos objetos no mosaico, principalmente vistos em telhados e objetos mais altos. As principais causas são a baixa qualidade geométrica no MDS e o baixo nível de detalhes na representação do objeto no MDS distorcido no mosaico.

Figura 4: Representação do MDS e o Ortofotomosaico Verdadeiro com distorções

Já no processamento do ortofotomosaico convencional a atuação do operador é crucial para a qualidade do produto, principalmente em duas etapas: a classificação da nuvem de pontos para a geração do MDT, onde o operador precisa avaliar as características da área mapeada para melhor configurar a filtragem da nuvem de pontos e na edição nas linhas de corte geradas no processo de mosaicagem das ortofotos.

Figura 5: Ortofotomosaico sem e com edições nas linhas de corte

Os pontos negativos são as características já citadas deste produto, mas que podem ser evitas com um bom planejamento e execução do voo em campo podendo atingir os mesmos resultados do ortofotomosaico verdadeiro sem distorções nos objetos representados no produto.

Figura 6: Ortofotomosaico convencional sem distorções e com representação ortogonal das edificações.

Um dos fatores principais na geração do mosaico de ortofotos está na qualidade dos dados gerados em campos, fruto de um bom planejamento e execução dos voos.  O processamento aérofotogramétrico não faz milagres, que para gerar produtos de qualidade é preciso dados de qualidade.

Na maioria das vezes os problemas que ocorrem no processamento e nos produtos gerados são frutos da quantidade de dados insuficientes ou da má qualidade na aquisição dos dados em campo.

Por: Maurício Campiteli

Quer saber mais a fundo como é gerado o mosaico de ortofotos verdadeiro e convencional? No curso de processamento de imagens com o Software Agisoft PhotoScan ensinamos todo o processamento aerofotogramétrico e geração das bases cartográficas detalhadamente em 10 horas de curso. Veja:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *